Após duas décadas, a Venerável Ordem Terceira de São Domingos de Gusmão foi restaurada durante dois anos

Construída há quase 280 anos, a igreja está sob cuidados da Venerável Ordem Terceira de São Domingos de Gusmão, precisou ser fechada devido ao risco de desabamento que a estrutura oferecia. No ano de 2013 o Iphan inicio a restauração do espaço, com intervenções em todo templo. "Na nave central, que era a parte mais crítica, foi feita uma intervenção geral, como a recuperação do madeiramento e do endouramento. Foram recuperadas, ainda, imagens sacras, o telhado, o forro que estava todo danificado, além da iluminação", contou o padre lázaro Muniz , pároco da Catedral Basílica e capelão  da igreja de São domingos de Gusmão.


Ao longo dos dois anos e meio de restauração foram encontrados tesouros escondidos, como a pintura no teto da sacristia, que estava sob uma camada de tinta. Ao entrar na igreja, quem olhar para o teto da nave central pode conferir uma obra de grande valor histórico: uma das pinturas do maior pintor brasileiro do período Barroco, José Joaquim da Rocha, que agora também está recuperada.